quinta-feira, 14 de maio de 2020

O que eu quero pra hoje?

Por Adriana Bernardes


O que eu quero pra hoje? Tomar banho de chuva,
encher a cara de vinho, champange, tequila e uísque: 
tudo aqui e agora! Não me venha com esse papo de "um de cada vez".

Quero dançar até o dia amanhecer!
Sentir o cheiro quente do perfume que exala do meu corpo misturado ao suor e à exaustão.
Sentar de frente pro mar,  
fechar meus olhos e esquecer do mundo!


Quero o cheiro de uma cidade em que nunca estive.
Sentir frio numa viagem inédita até meus ossos doerem. Depois, pedir um prato desconhecido e descobrir que aquilo é horrível!
E errar o próximo pedido, e o próximo, e próximo e rir muito disso depois. 

Quero agarrar meus pequenos até perder a conta do tempo. 
Sentir o cheiro bom do meu amor (pra sempre e diferente!).
Sentar debaixo de uma paineira, inalar o cheiro bom das flores rosadas enquanto elas salpicam meu corpo numa tarde quente de verão!

Quero deitar no chão e contar estrelas.
Ver a lua nascer atrás do mar.
Pisar num campo de lavanda e...


Quero aprender a nadar, tomar gosto pela malhação, envelhecer com saúde. 
Assumir meus brancos, para depois pintá-los de azul, roxo, vermelho ou qualquer outra cor que der na telha.

Quero ser eu mesma na minha melhor versão de ser humano. 
Mudar o mundo de alguém por meio do trabalho que escolhi como profissão. 
E, no apagar das luzes, fechar os olhos com a certeza de dever cumprido. 



Brasília, 14 de maio de 2020.  (Não) Diário de uma quarentena. 

17 comentários:

  1. a liberdade da imaginação, temperado a lembranças, nos permite a viver e reviver ao mesmo tempo

    ResponderExcluir
  2. O texto veio forte a palavra LIBERDADE. E LOUCURA, alias gosto mais dessa ultima palavra pois me lança na liberdade.GRATO pelo presente p meu coração Adriana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nazzareno, aquece meu coração saber que o meu Reboar te toca!

      Excluir
  3. Perfeito!!! É ímpar ler um texto forte e fluente como este. Parabéns, Adriana!!!

    ResponderExcluir
  4. Por uma dessas razões que não sei explicar (sou dinossaura navegando nesse mar revolto da tecnologia, como já escrevi por aqui), seu nome aparece com um cruel "unkwown". De coração, obrigada por estar aqui comigo, nesta quarentena inimaginável!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo excelente trabalho e especialmente por esse.

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia esse seu lado poético, belíssima poesia. 👏👏👏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dentro desse peito velho bate um coração sensível! rsrsrsr

      Excluir
  7. Que delícia ler os seus textos! Você é nota 10!

    ResponderExcluir
  8. Maravilhoso texto Adriana, um respirar em tempos tão difíceis .

    ResponderExcluir